A desconexão
September 26, 2016 - Tags: Era para ser uma crônica, Textos

somebody_that_i_used_to_know_by_spicysteweddemon-d4o2rcp-1

Sou a favor de rompimentos. Acredito que quando as coisas param de funcionar por qualquer motivo que seja – ou sem motivo algum – as pessoas devem ambas seguirem seus rumos, uma sem a outra, sozinhas, alones, forever. Brincadeiras a parte, relacionamentos acabam e todo mundo vai passar por um término ou milhares, o grande problema para mim é entender e aceitar essa coisa estranha de cortar a outra pessoa da vida totalmente. Igual na música do Gotye com a Kimbra“… você não precisava me cortar. Fingir como se nunca tivesse acontecido..etc etc” recentemente constatei uma nova fase do término de um relacionamento, que vem logo em seguida das abaixo:

  1. Luto, depressão, auto estima abaixo de zero.
  2. Raiva, ódio, você quer queimar a pessoa viva e rir dela enquanto isso acontece.
  3. Parar de pensar na pessoa todos os dias e chorar apenas ocasionalmente.
  4. Sensação de liberdade. Acabou!

Acabou nada, colega, é o que você pensa. Vem a quinta fase, que é aquela em que se pode ficar com uma saudade avassaladora da pessoa, você quer saber como ela está, lembra apenas das coisas boas, os defeitos deixam de ser defeitos e você se desespera em saber que nunca mais vai poder ir ao mercado com ela comprar ingredientes para fazer macarrão com salsicha ( compra essa constituída por macarrão, molho e salsicha).Essa sim é a pior parte de um rompimento.

O fato severo não é deixar de viver um namorinho, mas sim apagar o alguém da sua vida e voltar a viver como se ele nunca tivesse limpado o cocô do seu gato ou engolido um fio do seu cabelo que caiu no prato dele. Impossível.

Quando vivemos um relacionamento a pessoa passa a ser parte da sua vida, você da dela e o mais pesado, vocês duas trocam um pedacinho de vocês mesmos entre si. Principalmente se você, assim como eu, se abre que é uma beleza. E do momento em que o relacionamento acaba de vez e você sabe que não tem volta, vem a consciência de que, sim, essa pessoa saiu da sua vida. Mas eu me pergunto: ela precisa mesmo sair da sua vida?

Há quem já tenha passado por mais de um término e diz  que sim, essa coisa de ser amigo de ex não funciona, mas também tem quem diz que é totalmente possível. Conheço quem continuou superamigo do ex mesmo depois de terminar um relacionamento e  isso é uma lição. Por que devemos somar e subtrair pessoas das nossas vidas? Da mesma forma que entraram podem permanecer, só que de outra forma.

É dificílimo crer que as pessoas realmente querem e conseguem conviver com o contraste bizarro que é o “tomo banho na sua casa” para “não quero nem saber se você está vivo”.

Essa coisa de se desconectar de alguém 100% para sempre é muito cruel. Prefiro pensar que cedo ou tarde todo mundo um dia vai se reconectar um furando a fila do pão na frente do outro.

 

Deixe um comentário

Deixe seu comentário