Devaneios sobre a loucura
May 11, 2016 - Tags: Era para ser uma crônica, Textos

0,,42732904,00

Tenho vergonha de gostar daquele quadrinho da Maitena Burundarena, mas é mais provável que seja um certo receio por me identificar do que vergonha de fato. Sou alterada como todas aquelas mulheres desenhadas ali, mas não chego a ser maluca como elas, senão não seria maluca, uma vez que quase todas as mulheres se identificam com os quadrinhos. Se quase todas se identificam, inclusive eu, o que significa? Que somos todas alteradas e malucas ou eu sou só normal?

Já diria o título daquele filme oitentista: De Médico e Louco Todo Mundo Tem um Pouco, e acredito que todo mundo tenha mesmo, como o Coringa disse no final daquele outro filme, a loucura é como a gravidade, tudo o que precisamos é de um empurrão. Não creio ser saudável usar a frase de um personagem como o Coringa para justificar uma teoria, mas há outra maneira de falar da loucura sem citar os loucos? Kerouac, por exemplo, ama os loucos, principalmente os que queimam, queimam, queimam como fogos de artifício.

Na vida tive a chance de ver muitos malucos na rua. Mendigos gritando com veemência para o nada e sempre quando reparava no olhar deles notava que estavam muito focados. Loucura é eu pensar que deveria mesmo haver alguma coisa ali? Afinal, ninguém poderia olhar para o nada com tanta fixação assim.

Penso que gente mais velha é tudo maluca, mas não porque perderam o controle das suas ações ou estão gritando com veemência para o nada, mas sim porque já possuem todo o controle. Sendo assim, parto da ideia de que quanto mais velhos ficamos, menos ligamos para o que os outros vão pensar e menos fazemos o que os outros esperam que a gente faça. Por isso os idosos podem parecer mais rabugentos, eles não têm que provar mais nada pra ninguém, agradar todos ou ser gentil com quem, nem de longe, merece.

Será o louco aquele que vê tanto em tanta coisa que se cansa de dissecar os detalhes só na cabeça e precisa falar e fazer? Acho que falar é como uma dança: começamos aos tropeços, recatados, pegamos o compasso e depois disso, é puro improviso. Acontece que só os loucos conseguem improvisar dentro do compasso. Mas para improvisar dentro do compasso não precisa ser maluco, precisa? Afinal, ainda se está seguindo o um-dois, um-dois-três. Maluco mesmo é o que nem o compasso usa.

Não falo muito, guardo tudo. Seria isso, finalmente, o que causa a loucura, especialmente a minha (se ela existir)? Guardamos as coisas até não caber mais e explodirmos em milhões de pedaços tão pequenos que se torna impossível de unir de novo?

Acho que posso dizer, não de maneira conclusiva e definitiva porque nada na vida é (principalmente quando o assunto é maluquice), que o louco mesmo, seja eu um ou não, é aquele que não deixa a bizarrice própria fluir. E não fluir da boca para fora (como os velhinhos ou o mendigo), mas sim pela própria mente. Alguém precisa avisar para essas pessoas que repreender pensamento não é bom. Do contrário se explode e não se junta mais. E o problema é que essa explosão não seria a mesma do Kerouac, mas sim uma outra não muito boa, que ao invés de expandir, comprime, comprime, comprime até você desaparecer.

Deixe um comentário

Deixe seu comentário